De um refúgio Nostálgico


Hoje em pleno trânsito, como sempre atrasada, com alguma preocupação na mente, e um sono rotineiro, me encontro em meio a uma lembrança de quando eu era criança. Bateu uma saudadezinha, confesso; de um tempo que já foi há tempos, estes em que minhas preocupações eram: se minha mãe ia reparar no vaso que eu tinha quebrado, se alguém na praia teria derrubado o meu castelo de areia e se quando eu voltasse da escola ainda ia dar tenho de assistir Anos Incríveis. Meus questionamentos eram: de onde vinham os bebês, se o mundo ia até onde eu enxergava e se os barcos caiam onde o mundo acabava.
Maldade eu nem sabia direito o que era, achava que em certo momento a gente escolhia a que lado pertencer, e não entrava na minha cabeça alguém querer ser do mal.
Naquela época eu achava a infância uma merda! “Não”, era a resposta para todas as perguntas. “Não pode”, “não faz isso”, “não mexe aí”, eram as frases que eu sempre ouvia.
Não menosprezo minhas limitações e preocupações da época, até porque geralmente me esqueço, e o que sobra são só os bons momentos, em eu tirava bons cochilos à tarde embrulhada por um edredom quentinho e cheio de mimos de mãe.
Aí quando o stress me invade, eu só tenho vontade de voltar naquele tempo, chegar em casa, sentar no chão e desenhar casinhas com chaminés, acompanhas de um sol sorrindo e nuvenzinhas contornadas de azul.
Provavelmente daqui alguns anos, é do tempo que vivo hoje que sentirei saudades, dessa época dos vinte e poucos anos em que as coisas ainda estão favoráveis esteticamente, a solteirice ainda é alguma vantagem, os meus amigos são os mais legais do mundo e a faculdade necessária para um sucesso profissional.
Por enquanto, eu acho a faculdade um porre, os meus amigos são normais, a solteirice é assustadora e minha estética não agrada.
O que eu desejo é que a vida me proporcione um olhar mais maduro diante dos problemas que eu tiver que enfrentar, que este fluxo da vida me leve pra um lugar seguro, e que não queira me esconder por mais que a vida seja muito mais difícil do que é hoje.
Eu sei, os momentos que vivemos parecem melhores vistos do futuro, é assim que geralmente funcionam as coisas, mas se eu puder mudar o rumo a partir de agora, eu sei que a primeira coisa a fazer é começar a tentar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E o que eu tenho feito da vida?

E nada