Cartas



Mantinha suas cartas salvas em “.doc”, e mudava o destinatário para envio. No remetente apenas um coração.
E o manuseio com luvas de látex. 
Duvidava que alguém se importasse, ou por ventura apreciasse as palavras bobas, de uma jovem estúpida.

Guardava em si uma vontade imensa de esperar escondida, para ver a reação de quem recebia seus escritos. Mas a tamanha timidez, e segurança que o anonimato lhe proporcionava não a permitiam arriscar-se ser descoberta.

Muita discrição na hora de ir ao correio. Capricho e delicadeza no preparo dos envelopes. Seu pequeno prazer diário. Seu mundo paralelo e intocável.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

E o que eu tenho feito da vida?

É certo que duvido