Páginas

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Engana-se

Junta a cabeça às mãos, porque sabe que erra
Chora escondido, já que ninguém pode saber
Peca e cala-se, em sua frente não irá admitir
Mantendo a cabeça erguida, segue em linha reta
Sua melancolia é amargada, fingida de um açúcar polvilhado
No alto de um castelo de areia, metade derrubado
Engana-te e engana-se ao te olhar através de um óculos embaçado
Esnoba-te e não credita valor igual, nem soma algo em especial
Seu orgulho bobo e esnobe, sua idiota impressão de um mundo construído a sua volta
Sabe bem que ninguém engana, e sua superioridade não passa de uma vida mimada
Passa por cima de qualquer pedra ao longo de sua caminhada
Mas não percebe seu cadarço desamarrado
O que acontece é que um dia tropeça, e a mão estendida pode ser de alguém um dia desprezado.

domingo, 28 de novembro de 2010

Um instante esperado

Há algum tempo tenho me sentido confusa, muitas coisas pensado e pouco exposto.
Motivos? Não sei bem ao certo. Um tanto por não conseguir me concentrar, um tanto por não saber ao certo o que dizer, como, nem por que.
Não sei o que acontece, momentos ruins até me inspiram e sei que este não é o caso.
Está tudo bem, assim me parece, mas algo em mim não soa como antes.
Devo dizer que muitas vezes tentei escrever algo, e nada me pareceu digno de ser publicado. Inúmeras linhas tortas que não se entrelaçam nem fazem sentido algum.
Estes dias e dias que não pedem passagem, os probleminhas e as faltas de não sei o que. Eu perco o controle e o ritmo que eu deveria manter.
Mas está tudo bem, e não importa o quanto ainda eu tenha que tentar.
Eu só quero estar aqui, sentada neste mesmo sofá. E um dia numa distração qualquer esta pessoa da qual sinto falta, irá voltar.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

falsa imagem

psicodelic 
Eu não preciso de ídolos em minha parede
Nem de uma casa cheia pra não me sentir só
Não preciso que me digam como pensar nem agir
Nem de respostas de perguntas que eu não fiz
Alternativas? Também não as preciso
Talvez nenhuma delas seja válida no final
Se eu preciso de algo, é não me enganar
Não precisar de meio abraço
Nem de elogio falso
Só preciso de pensamentos soltos
Nada catalogado
Ou superficial
Essa minha falsa imagem
É tão pouco do que sou e tão pouco do que penso
Se me exponho ou me escondo, não importa
Poucos se importam, poucos querem saber afinal.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails